Boçalidade sem limites

Fernando Anitelli é o líder d´O Teatro Mágico, projeto que mistura circo (?), música (??), poesia (???) e teatro (????). Com passagens psico-poéticas que chegam à profundidade de algo como “os opostos se distraem e os dispostos se atraem”, Anitelli e seus parceiros de trupe vêm, nos últimos anos, arrebanhando um bom punhado de admiradores, a maioria concentrada na Grande São Paulo.

Confesso que nunca fui muito com a cara do tal Teatro Mágico e que, dadas as características do grupo, se tivesse de apostar em alguma orientação política, cravaria o petismo – sim, o petismo é uma orientação política, talvez e tristemente a única que siga fielmente os seus princípios, no Brasil. Mas não tinha nada contra o trabalho da turma. Até ler a entrevista que Anitelli concedeu ao PT Macro Osasco e ser apresentado a um nível de boçalidade quase que inacreditável.

Tomei a liberdade de selecionar os “melhores” trechos de Anitelli, com comentários próprios em vermelho. Pensei em indicar também os atentados à língua portuguesa, mas faltaria espaço:

Macro Osasco em Contato: Eleições 2010. Qual foi a repercussão que o grupo sentiu ao colocar o apoio a Dilma Roussef no twitter do Teatro Mágico?
Fernando Anitelli
: Foi muito boa, tranquila. Eu tenho uma visão já conhecida, bem progressista, de esquerda (começa o show). No meu ponto de vista, a Dilma é a pessoa que melhor se enquadra nesse momento, para dar continuidade pra esse motor que foi colocado, que o governo Lula conseguiu fazer dialogando (dialogando? que tipo de diálogo?), fazendo as modificações coerentes. Governar um país, fazer esse país chegar como chegou lá fora, ter tentáculos pra conseguir caminhar e se organizar (pensei que para caminhar e se organizar fossem necessários pés e raciocínio, mas, em tempos de polvo Paul…). A estrutura que o governo Lula já conseguiu colocar, só a Dilma é capaz de continuar, ela já esta inserida nisso.

Macro Osasco em Contato: É consenso de o grupo todo apoiar a Dilma e o PT?
Fernando Anitelli
: O que a gente não vai deixar é ninguém [do grupo] apoiar o Serra. “Serra não! Não me venha falar de Serra”. O Teatro Mágico tem uma diversificação política dentro dele, mas sempre para a esquerda (ah tá, agora sim entendi qual é o diálogo a que se refere: um pergunta e o outro concorda). Quem não pensa assim, não está de acordo com a nossa direção, com a nossa meta, inclusive com a nossa meta artístico-política. Mesmo assim continuamos caminhando (apesar da censura interna?). Temos a posição anti-Serra enquanto projeto. Até porque ele boicota há três anos, politicamente, a participação do Teatro Mágico na virada cultural. É coisa da Secretaria de Cultura pedir e eles boicotarem mesmo (mas quem boicota, afinal, Serra, a Secretaria da Cultura ou eles? E quem seriam eles? O polvo Paul e seus tentáculos?).

Seria cômico não fosse trágico.

Fico a pensar o que é pior: impor patrulha ideológica, achar que o Serra é de direita ou saber que milhares de pessoas são influenciadas pelas ideias de alguém que se encaixa nos dois pontos anteriores.

Como perder uma eleição

Criado sob a imagem de ser um reduto de intelectuais social-democratas, em sua grande maioria egressos e descontentes com os caminhos que o PMDB então começava a trilhar, o PSDB cresceu e chegou ao poder, trajetória que indubitavelmente exige boa dose de inteligência estratégica.

No caso do PSDB, parece ter exigido tanto que esgotou toda a fonte de inteligência. Afinal, não pode ser outra a conclusão ao se observar o comportamento tucano ao longo dos oito anos lulistas no poder, com destaque – negativo, por óbvio – para a disputa eleitoral de 2006, que tem tudo para se repetir em 2010.

Em linhas gerais, o grão-defeito do PSDB foi demonstrar cabalmente que não sabe ser oposição. E não me refiro aqui a questões ideológicas, as quais, ao contrário do que imagina o PT, não devem ser moldadas e contaminadas pela simples vontade de derrubar quem está no poder para se chegar até ele. Refiro-me à atuação inexplicável e extremamente tímida nos mais diversos episódios de corrupção que vieram à tona envolvendo o governo Lula.

Se a desinteligência tucana ficasse exposta apenas no contexto acima, poder-se-ia evocar a teoria do telhado de vidro para explicar tamanho descaso com os vícios dos outros – se eu falar dele, ele vai falar de mim e, como tenho culpa no cartório, melhor então ficar quieto. Como ela, a desinteligência, vai muito além, parece mais adequada a hipótese de que, debaixo do eventual telhado de vidro, vivam não mais do que cabeças ocas.

Eleição presidencial de 2006. Apesar de aparentemente com menos fôlego eleitoral do que Serra, Alckmin bate o pé e sai candidato, jogando o rival interno para o escanteio do governo de São Paulo. Serra não chia muito, pois, nem ele nem os demais tucanos pensantes enxergam qualquer possibilidade de bater o vitaminado Lula. Abandonam, Serra e sua turma, Alckmin no barco à deriva e torcem – sim, o PSDB torceu contra o PSDB! – para que a tsunami Lula estraçalhe as pretensões alckmistas.

Eis o primeiro erro: a rejeição a Lula e sua política na porção Sul do país era maior e mais forte do que o desinformado PSDB previa. Havia boas chances de vencer. Apenas Alckmin e uns poucos parceiros seus as enxergaram e, sozinhos, apostaram nelas. Às vésperas do primeiro turno, bastou mais uma das infindáveis tramoias da grife vermelha para que Alckmin chegasse praticamente empatado com Lula na primeira votação. Serra, de casa, fez beicinho. Agora teria de fingir apoio ao colega de partido no segundo turno. O PSDB teria duas semanas para fazer tudo o que não fizera em seis meses.

Antes não as tivesse. A emenda ficou muito pior do que o soneto. Atarantados – também eles não a esperavam – pela força alckmista, os petistas recorreram ao que mais bem sabem fazer: bravatear sobre o vácuo. Poderiam ter sido ao menos criativos. Não foram. Escolheram para Judas as privatizações. Desandaram a maldizer os tucanos vendilhões do templo chamado Brasil. Qualquer um que estivesse no lugar do PSDB vibraria com a péssima escolha do PT e nadaria de braçadas no tema privatizações, mostrando ao povo que, não fossem elas, ele não estaria agora ao celular comentando com o irmão, do outro lado da linha e do país, o bom desempenho de Lula no debate, para ficar em apenas um exemplo.

Mas o PSDB não. Os tucanos pensantes acharam muito difícil essa explicação. Em vez de mostrar tudo de bom que veio com as privatizações, assumiram uma postura de quase se desculparem por elas. Optaram por – pasmem! – dar razão ao PT. A disputa voltou para onde Lula e sua trupe mais desejavam, o confronto pessoal entre Lula e Alckmin na capacidade de atingir o povo com suas palavras. Enquanto Lula falava em Bolsa-Família, Alckmin falava em desaparelhamento do Estado. Quem será que levou vantagem?

Eleição presidencial de 2010. A campanha nem bem começou e o PSDB já coleciona desinteligências. A começar pela disputa interna entre Serra e Aécio. Ora, é de uma obviedade atroz que Aécio tem de sobra aquilo que mais faz falta a Serra e que costuma decidir eleições: carisma – Serra não consegue nem caminhar com desenvoltura. A união dos dois como cabeça e vice de chapa, prometendo a Aécio – de papel passado, se necessário – o protagonismo no próximo pleito seria o caminho mais correto a seguir. Se esse arranjo não agrada a Aécio, que se deixe o mineiro ir para o Senado, mas se mantenha a promessa para as próximas eleições, sob a condição de apoio total, irrestrito, declarado e presencial de Aécio a Serra por todo o Brasil. Serra depende de alguém como Aécio para lhe oferecer o que não tem e deve ser humilde para se olhar no espelho e reconhecer sua própria imagem. Sem falar que junto de Aécio viria a imagem quase mítica do centenário de nascimento de seu avô, Tancredo. Todos os ingredientes necessários até para uma vitória no primeiro turno.

Mas não, ao contrário disso, tudo indica que Aécio fará mais ou menos o que Serra fez com Alckmin em 2006. Assumir papel absolutamente apagado na disputa. Dilma agradece e até já tomou para si um pouco de Tancredo, em recente visita a Minas. Se o PSDB permite, está certa ela em aproveitar.

Mais algumas genialidades tucanas. A ideia de fazer um lançamento hi-tech da candidatura de Serra, transmitida em tempo real por ferramentas como o Twitter, apesar de interessante, atingiu apenas o público que naturalmente já é eleitor de Serra. Efeito prático quase, senão totalmente, nulo. E o que dizer do escolhido de última hora para ser o principal discurso da solenidade, Fernando Henrique Cardoso, que goza de popularidade semelhante à de Marta Suplicy? O objetivo era fazer Serra ganhar ou perder adeptos no dia de lançamento da candidatura?

Para terminar, a ideia – esta, de tão brilhante, chega a cegar – que vem sendo posta em prática por Serra nas últimas semanas. Em vez de aproveitar a latente desproporção entre sua experiência e capacidade gerencial comparadas às de Dilma, utiliza todas as oportunidades que lhe aparecem para colocar essa diferença em segundo plano, declarando algo como “não é isso que deve ser levado em conta na eleição” ou “não vou falar dos pontos fracos do meu adversário”.

Ah tá, então para Serra a capacidade de governar não é um requisito importante a se avaliar e explorar na hora de escolher o presidente de um país. Seria mentira, mas faria sentido lógico se Serra perdesse para Dilma nesse campo. Sendo a realidade oposta, não tenho mais palavras.

Do outro lado, um tal de Lula, bem mais forte e sólido do que em 2006, já acionou o turbo pró-Dilma há tempos. E os resultados já vão aparecendo nas pesquisas. Com a inestimável ajuda do PSDB, o que parecia improvável há um ano já é agora – e a despeito de todas as limitações de Dilma, exploradas em parte na postagem anterior – o mais palatável para 2011: Dilma presidente do Brasil – só de falar, dá arrepios.

O PT, ao menos, não joga contra si próprio.