A Teoria da Bacia

Hoje vou apresentar um pensamento que comecei a desenvolver já há longa data e que, com o passar do tempo, entremeado por algumas conquistas amorosas e outras tantas decepções do mesmo tipo, transformou-se em teoria. A Teoria da Bacia.

Embora seja uma ferramenta poderosa para todos aqueles, e aquelas, interessados em conquistar o ser desejado, trata-se de uma simples aplicação de leis elementares da Física a relacionamentos amorosos. Vamos a ela.

Imaginem vocês uma bacia cheia d’água. Dela se aproxima um Sujeito A que, abruptamente, tenta puxar, com as mãos, a bacia com a água para junto de si. O Sujeito A consegue a bacia, porém, a água, seguindo princípio fundamental da Física, vai para o lado oposto, afastando-se do Sujeito A.

Imaginem agora outro elemento, chamemos de Sujeito B, que também se aproxima da mesma bacia e, ao invés de tentar trazê-la para perto, desfere um potente chute tentando mandar a bacia cheia d’água para longe dele. Assim como ocorrera com o Sujeito A, o Sujeito B consegue realizar apenas parte de seu objetivo, já que a bacia vai para longe, mas a água, devido à força do chute, volta contra ele, molhando o seu estimado corpo.

Como poderão verificar ao fazerem em casa o experimento, as situações acima se aplicam a qualquer pessoa que queira se passar pelos sujeitos A ou B, independente de raça, religião, índice de massa corporal ou time de futebol do coração.

Mas não se repetem apenas com os sujeitos, as bacias e a água. Na verdade, a água dentro da bacia é uma alegoria perfeita do comportamento que nós, seres ditos racionais, temos sempre que nos deparamos com alguma situação amorosa. Homem ou mulher, todos se enquadram na Teoria da Bacia*: se o nosso par nos enche de carinho, demonstra toda a sua afeição com mimos os mais variados, ou seja, se tenta trazer a bacia para perto de si, o que fazemos? Vamos imediatamente para o lado oposto e nos afastamos da pobre alma amante, como a água; ao contrário, se o pretendido, ou pretendida, comporta-se como um verdadeiro pulha, ignorando nosso carinho, não honrando os compromissos mais elementares como atender ligações telefônicas e até mesmo esquece nossa data de aniversário, ou seja, se o distinto enfia um bico bem dado na bacia, para que ela suma no horizonte, o que fazemos? Tal como a água, derramamo-nos sobre o troglodita, tentamos de todas as formas conquistar o coração do brucutu, não enxergando que o único meio adequado para conseguir a conquista seria justamente devolver o chute na bacia, com potência no mínimo semelhante.  

Por outro lado, o mesmo que chuta a bacia hoje e se ensopa com a água que volta em sua direção, amanhã tenta trazer a bacia para si e vê a água ir embora sorrateira. O mais interessante é que, mesmo tendo conhecimento da teoria e sabendo, portanto, que o comportamento mais racional e eficaz seria agradar (trazer a bacia para perto) justamente quem queremos ver longe e menosprezar (chutar a bacia) quem desejamos conquistar, fazemos sempre o oposto.

E continuaremos fazendo até o fim dos tempos, ao mesmo tempo em que provamos por A+B que existe alguma racionalidade na raça humana…

* Importante ressaltar que o caso geral da Teoria da Bacia enquadra-se aos homens e mulheres que gravitam em torno da média nas diferentes características pessoais (beleza, situação financeira, fama etc.), podendo não se aplicar perfeitamente a casos especiais. Especificamente, em relação à beleza, a teoria se aplica totalmente aos muito belos, mas não aos muito feios, que, contrariando as leis da Física, sempre tenderão a se derramar em direção aos pretendentes, independente de serem chutados os agradados. Já em relação à situação financeira, não se aplica totalmente nem aos muito ricos nem aos muito pobres. Os primeiros conseguirão trazer o ser desejado para perto independente do seu modo de ação e os segundos dificilmente conseguirão o intento, mesmo desferindo na bacia chute mais potente que a patada atômica de Pepe ou Rivellino. Há ainda os casos de interações, como muito feio e muito rico ao mesmo tempo. Resumindo grosseiramente a análise que seria extensa, em casos como esse a situação financeira tende a ser dominante sobre a beleza física.

Anúncios