Como um campeão deve ser

Com arrasadores 3 sets a 0 sobre Cuba, o vôlei masculino brasileiro conquistou, domingo passado, o tricampeonato mundial (2002, 2006, 2010), na Itália. O título, além de confirmar a equipe dirigida por Bernardinho como um dos maiores fenômenos da história do esporte – desde 2001, somam-se ao tri mundial oito títulos da Liga Mundial e o campeonato olímpico de 2004 – teve para mim um gosto especial, por jogar por terra o abominável espírito politicamente correto que tem reinado entre nós.

Estávamos na segunda fase do torneio, o jogo era contra a Bulgária e o regulamento esdrúxulo patrocinado pela Federação Internacional de Vôlei premiaria a equipe derrotada com um grupo mais fácil na fase seguinte, longe dos fortes cubanos e perto das relativamente inexpressivas República Tcheca e Alemanha.

Como verdadeiros campeões, os jogadores brasileiros decidiram, apoiados por Bernardinho, a única coisa racional que um time em busca da conquista poderia decidir. Entregaram o jogo para os búlgaros. Saíram de quadra defenestrados em três sets, vaiados por quase todo o ginásio italiano e achincalhados por uma boa porção de analistas brasileiros – em geral, os mesmos que meses atrás condenaram a Ferrari por querer o título do Mundial de Pilotos de Fórmula 1 e, por isso, ordenar uma troca de posições entre Felipe Massa e Fernando Alonso, no GP da Alemanha.

O campeonato seguiu. O Brasil passou com dificuldades pelos tchecos e trucidou alemães, italianos e, por fim, os pobres – em todos os sentidos – soldados de Fidel. A final foi muito mais tranquila do que se imaginava, sobretudo tendo em vista que Cuba derrotara o Brasil na primeira fase do Mundial. A maioria dos críticos curvou-se aos méritos da maior equipe nacional de todos os tempos em todas as modalidades, mas ainda houve os que insistissem no pseudo-moralismo, enxergando na facilidade da vitória sobre Cuba a prova de que a “entregada” para os búlgaros fora desnecessária e manchara o triunfo.

Um bando de falastrões que provavelmente nunca competiram na vida. Se o tivessem feito, saberiam que o moralismo é bonito para quem, do alto de uma confortável posição, ama a retórica, mas de nenhuma valia para quem está na arena de disputa, sedento pela vitória a qualquer preço, desde que dentro das regras. Foi o que fizeram Bernardinho e seus comandados. De fato, possivelmente terminassem como campeões mesmo vencendo a Bulgária e antecipando o confronto com Cuba. Mas qual seria o sentido de se expor a um considerável risco de nem sequer chegar às semifinais se havia um outro caminho, muito mais aprazível, aberto?

O que os hipócritas precisam aprender, de uma vez por todas, é que competições existem para ser vencidas, para além de disputadas. E isso ninguém no Brasil sabe fazer melhor do que Bernardinho e seus garotos. Levanto-me, pois, e os aplaudo com entusiasmo, triste por serem exceção e não regra num país que homenageia a fraqueza em detrimento do mérito.

Anúncios

Sobre Thiago B. Ribeiro
Thiago Barros Ribeiro tem 32 anos, é paulistano, sampaulino e, segundo as boas e más línguas, quase insuportavelmente chato. Mestre em Economia por formação, gestor público por profissão, metido a besta em esportes por paixão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: