Campeões com justiça

A maior demonstração de que a Espanha ostenta hoje, indiscutivelmente, a melhor seleção do mundo foi dada pela Holanda, que, ciente de que não poderia fazer frente aos ibéricos na bola, optou por aquela que seria a sua única chance de êxito e que Paulo Vinícius Coelho tão bem definiu como “anti-futebol total”.

Se os laranjas terminassem a primeira etapa da final de ontem com três jogadores expulsos, não seria demais. Em escala decrescente, De Jong, Sneijder e Van Bommel fizeram o suficiente para merecerem esse destino, não fosse a condescendência do árbitro inglês Howard Webb.

Condescendência sem a qual muito provavelmente a vitória espanhola não seria tão difícil quanto foi, consolidando-se ainda durante os 90 minutos regulamentares. Mas o futebol não é feito de hipóteses e, quando Robben partiu sozinho para o gol de Casillas, o mundo inteiro viu a Holanda campeã do mundo. Como não poderia deixar de ser, eles, os deuses de futebol, também estavam assistindo à grande decisão e, para a felicidade geral de todos os amantes do esporte bretão, deixaram aquela perna direita de Casillas ali, perdida no canto direito enquanto ele saltava para o lado oposto. O correto chute de Robben desviou no pé ali devidamente esquecido pelos deuses, não entrou e o futebol sorriu. O futebol venceu.

O gol de Iniesta, nos instantes finais da prorrogação, fez justiça ao melhor futebol da Copa. Fez justiça à seleção que colocou as outras todas na roda, tocando daqui pra lá e de lá pra cá sem que os adversários se aproximassem da pelota. Uma seleção que venceria mais fácil estivesse Fernando Torres em condições de jogo. Fez justiça ao próprio Iniesta, que não merecia sair de campo como aquele que perdera os gols que faltaram para a Espanha ser campeã mundial. Merecia, sim, sair como um dos candidatos a melhor da Copa, a melhor do mundo. E assim saiu.

Espanha campeã mundial. Nada mais justo.

Quem ouviu a narração do gol de Iniesta feita por Raul Varela, na Rádio Marca, se não chegou às lágrimas absolutamente comoventes de Casillas, teve pelo menos a noção do que o título significou para os espanhóis. Fantástico.

***

O bolão. Vocês não conseguiriam imaginar como esse jogo, criado sem maiores expectativas, mexeu comigo durante os 30 dias de competição na África. A ponto de criar uma afeição que, quando terminada a final, fez misturarem-se em mim uma sensação de imensa alegria, pela vitória, e uma de triste desencanto pelo fim da brincadeira. O que farei nas próximas jornadas sem ter de assistir a todos os jogos para atualizar os resultados minutos depois? Como serão os meus dias sem as dores de cabeça criadas pelas sempre presentes polêmicas de última hora? O que fazer para passar o tempo durante os quatro anos de espera até o próximo?

Antes de passar aos resultados finais, não posso deixar de agradecer àqueles que me fizeram companhia diária, sempre a postos com comentários divertidos, pertinentes, bem pensados. Represento-os aqui por Carlos Urso,  Isnardo Villaroel, Paulo Furquim, Ramón Fernandez, João Paulo e Fernando Oliveira, parceiros do primeiro ao último instante, cheios de entusiasmo, desportividade, gentileza. Obrigado.

O resultado final da Copa acabou finalizando o nosso jogo com um desequilíbio que não houve em nenhum momento da disputa. Por ter acertado campeão, vice, terceiro colocado e artilheiro, terminei a competição com 1.671 pontos, 236 à frente do segundo colocado, o professor Ramón, que terminou a incrível recuperação iniciada a partir do 39º lugar da primeira fase acertando a Espanha campeã e a Holanda vice.

Fábio Corrêa fechou o pódio, beneficiado pelo acerto exato da Alemanha em terceiro e do Uruguai em quarto. A seguir, ficou Persio naquela que provavelmente é a colocação mais ingrata, 45 pontos atrás de um lugarzinho entre os premiados.

Merece ainda destaque David Escudero, nosso colega mexicano que passou a primeira fase quase que inteira em primeiro e não terminou entre os três de cima porque acabou caindo no conto do Brasil e mudou o seu palpite inicial, Espanha campeã. A 7ª colocação foi o preço a pagar. Muito obrigado pela participação desde a América do Norte, David!

Por fim, não poderia deixar de mencionar Maurice Gremaud, que passou boa parte da fase final na frente, mas acabou perdendo fôlego na reta final, prejudicado pelos palpites de Holanda campeã e Argentina vice.

Espero vocês de volta em 2014!

Anúncios

Sobre Thiago B. Ribeiro
Thiago Barros Ribeiro tem 32 anos, é paulistano, sampaulino e, segundo as boas e más línguas, quase insuportavelmente chato. Mestre em Economia por formação, gestor público por profissão, metido a besta em esportes por paixão.

5 Responses to Campeões com justiça

  1. Isnardo says:

    Parabéns à organização e aos felizardos premiados. Apesar de ter saído com as mãos abanando, fico contente por ter terminado em um honroso 6o lugar neste bolão composto por tantas feras.

    Desde já fico no aguardo do convite para a edição 2014.

    Abraços!

  2. joão paulo says:

    Valeu Thiago! Bolão nota dez. Obrigado pelo empenho e pela brilhante organização. Que sirva de exemplo para a CBF! !3º colocado. Como diria Zagalo, 13, prenúncio de boa sorte, o Bolão de 2014 é meu e ninguém tasca!

  3. Mateus says:

    Parabéns pelo 1º lugar Thiago!!!
    Lembro que antes do início da Copa você me disse, a Holanda eliminará o Brasil nas quartas…batata…
    Acertou os 3 primeiros e o artilheiro…acho que temos um adversário a altura para o polvo, heheh

    Mesmo tendo uma participação desastrosa, achei muito legal o bolão…a arte de “secar” os outros foi bastante desenvolvida nesse período, pena não ter dado certo, rs
    Que tal um bolão para o 2º turdo do Brasileiro??

    Abração

  4. Karen says:

    Thiago,

    Parabéns pela vitória!
    Parabéns também pela ótima idéia de realizar o Bolão.
    Parabéns também pela bela organização, pelo capricho indiscutível, por compartilhar conosco suas idéias e comentários, por todo o empenho e dedicação e por nos dar todo esse prazer durante a Copa, aliás, pelo menos para mim, fez com que eu me concentrasse mais no que estava acontecendo nos jogos durante esse período, que ficasse um pouco mais informada sobre os resultados, que “secasse” os outros amigos participantes (rs) e que fizesse todos ao meu redor (por exemplo meus amigos da USP) ficarem atentos à minha colocação e torcendo junto comigo para os meus resultados! rs

    Sobre a idéia do Professor Paulo Furquim de realizarmos uma confraternização entre os participantes do Bolão, sou a favor, penso que será bem agradável.

    Já coloque meu nome na lista dos participantes do Bolão de 2014! Certo?

    Se cuida querido.
    Beijo e obrigada por nos alegrar.

    • A adesão à confraternização está baixíssima. Por enquanto apenas professor Ramón e você manifestaram-se a favor.
      E se não fosse a participação de todos vocês, o bolão não teria existido. O agradecimento é portanto totalmente recíproco. Beijo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: