Regras que dão asas

Nosso grande Daniel Marchi foi rápido. Como bom piloto que é, no kart. Não abandonou o projeto de cobertura opinativa da temporada de Fórmula 1. Os leitores e eu agradecemos. Abaixo a coluna.

Enquanto a Copa do Mundo começa a pegar fogo, tivemos de fazer um pequeno esforço para virar a chave e acompanhar a Fórmula 1. Para mim, sem problemas, gosto muito dos dois. Vamos lá. Os treinos indicavam que a Ferrari esboçaria algum tipo de reação. As diversas circunstâncias da corrida, especialmente o safety car, não permitem qualquer tipo de conclusão. O fato é que a segunda metade do certame está aí e os membros da equipe italiana estão conjugando muitos verbos no gerúndio (trabalhando, desenvolvendo, tentando…).

Há pouco o que se dizer sobre a corrida em si. O resultado final, com Vettel, Hamilton e Button perfazendo o pódio, foi construído com relativa tranquilidade no circuito chocho de Valência. Por outro lado, há muito pano pra manga com relação aos acidentes e às punições.

Mark Webber renasceu neste domingo. Foi protagonista de uma tragédia anunciada, devidamente patrocinada pela irresponsabilidade infinita dos senhores da FIA, FOM e FOTA. A proibição dos testes durante a temporada é o túmulo da F-1. Os pilotos de Lotus, Virgin e Hispania deveriam ir de nariz de palhaço aos autódromos. Novatos como Di Grassi e Senna simplesmente fazem papel de bobos ao pilotarem nessas circunstâncias. Toc toc toc na madeira. Será que os cartolas estão esperando que um carro voe arquibancada adentro e machuque uma centena de pessoas? É esse espetáculo que querem ver?

Sobre as punições. A de Lewis foi claramente justa. Seu talento é enorme, assim como sua capacidade de fazer bobagens. Justa também é a reclamação de alguns pilotos sobre o tempo de análise e aplicação da “multa”. A demora permitiu que o inglês retornasse à sua posição original. Curiosa mesmo é a penalidade que nada menos que nove pilotos receberam ao final da prova. Uma penca de pilotos da metade da frente tomou cinco segundos em cima do tempo final por exceder o tempo máximo de uma volta enquanto o SC se encontrava na pista. Regra brilhante, não? Deixando de lado o tecnicismo boboca da regra, quem acelera na F-1 de hoje é punido.

Mas essas regras estapafúrdias não vão me chatear hoje… já retornei a chave à posição Copa do Mundo.

***
Em tempo, os créditos a quem os merece. Foi anunciado na última quarta-feira (23/06) que a Pirelli será a fornecedora única de pneus para a temporada 2011. Daniel adiantara a notícia aqui, no dia 30/05. Boa, Marchi!
Anúncios

Sobre Thiago B. Ribeiro
Thiago Barros Ribeiro tem 32 anos, é paulistano, sampaulino e, segundo as boas e más línguas, quase insuportavelmente chato. Mestre em Economia por formação, gestor público por profissão, metido a besta em esportes por paixão.

One Response to Regras que dão asas

Deixe uma resposta para Daniel Marchi Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: