México 2 x 0 França

A diferença fundamental do jogo estava nos bancos de reservas. Os técnicos. Do lado mexicano, um Javier Aguirre vibrante, determinado a fazer o que estivesse ao seu alcance para o seu time vencer. Do francês, um Raymond Domenech absolutamente patético, com uma cara arrogante, tipicamente francesa, de paisagem. A mesma arrogância patética que deixou de fora da Copa nomes como Nasri e Benzema, que colocou para jogar Anelka, Gignac e Valbuena e que deixou no banco Thierry Henry.

O resultado foi um justíssimo 2 a 0 para o México e a latente eliminação francesa. Para a terceira rodada, basta um empate sem gols entre Uruguai e México para que ambos passem e a França fique.

O que será que vai acontecer?

No bolão, dia de poucos pontos para a maioria. Principalmente para os líderes, que por isso viram o pelotão de trás se aproximar. Vários empates ao longo da tabela.

Nigéria 1 x 2 Grécia

Graças aos trapalhões nigerianos e a uma Grécia desesperada para vencer, um jogo que tinha tudo pra não ter nada demais acabou sendo o mais divertido da Copa até aqui.

A Nigéria fez o primeiro e tinha tudo para manter a vitória até o fim quando Kaita, o primeiro trapalhão, foi expulso depois de um lance de taekwondo. A Grécia empatou e foi com tudo para a frente. Num rápido contra-ataque, a bola sobrou sem goleiro para Obasi, o segundo trapalhão, mandar para as redes. Era só empurrar. Ele jogou para fora. Grécia pra cima e apareceu o terceiro trapalhão. Enyeama, o mesmo goleiro que fechou o gol contra a Argentina e vinha fechando de novo contra os gregos, deu um rebote infantil e possibilitou a virada.

Apesar do desespero após o fim da partida, os Trapalhões ainda têm chances razoáveis de passarem adiante. Basta vencerem a Coreia e torcerem pela Argentina contra a Grécia.

Grécia que jogou muito, muito melhor do que contra a Coreia. A trajetória da seleção até aqui lembra a da Bulgária, em 1994. Naquele ano, depois de uma estreia catastrófica contra a Nigéria – derrota por 3 a 0 -, os búlgaros se recuperaram contra a Grécia – 4 a 0 – e conseguiram a improvável classificação fazendo 2 a 0 na já classificada Argentina, na última rodada. Pararam apenas na semifinal.

Será?

No bolão, poucos pontuaram. Poucos que se deram muito bem. O maior destaque vai para o D´Aprile, que pulou para a segunda posição e me mandou para fora do pódio.

Argentina 4 x 1 Coreia do Sul

Começo a ter uma fortíssima desconfiança de que colocar Maradona como técnico foi uma grande sacada da Federação Argentina de Futebol. Não pela capacidade de D. Diego treinar com brilhantismo tático sua equipe. Nisso, o gordinho é decididamente um zero à esquerda. Mas pela aura que carrega em torno de si e pela capacidade, esta gigantesca, de motivar os jogadores, de fazê-los acreditar que vão ganhar a Copa do Mundo.

Quando se tem jogadores tão bons como tem a Argentina, cada vez mais acredito que mais importante do que ter alguém que os ensine a jogar e criar jogadas – eles já sabem – é ter alguém que os ajude a acreditar que podem vencer.

Os 4 a 1 sobre os coreanos garantem a classificação aos argentinos. Continua incrível a semelhança entre Higuaín e Washington, até nos gols que fazem. De toda forma, o 9 portenho fez 3 e deu ração às esperanças de quem apostou que será o artilheiro do torneio. Por outro lado, o que pode frustrar as pretensões hermanas é uma defesa que, com Demichelis e Gutierrez, pode entregar um jogo mais complicado a qualquer momento.

No bolão, temos novo lanterna. É D. Isa, nada mais nada menos do que minha querida mãe. Foi apostar na zebra de olhos puxados e se deu mal.

Novo visual

Para comemorar o sucesso do Bolão, que elevou a média de acessos ao blog para a casa das 300 visitas diárias, entrou no ar ontem um novo visual para o Coisas Mais…

Agora ficou mais fácil ler as postagens de acordo com o gosto de cada um. Basta clicar nos assuntos, na barra de menu acima, e serão selecionados apenas os textos relacionados a cada um.

Espero que gostem. E continuemos com a cobertura Coisas Mais da Copa!