Balanço da primeira rodada

A Copa do Mundo apresentou, nesta primeira rodada, um nível técnico nada além de sofrível. Há as desculpas, mais do que manjadas: a grande maioria dos jogadores – e todos os melhores – está em final de temporada europeia, a estreia é sempre nervosa, a bola é ruim.

Quanto à bola, é balela. Joguei ontem com a famigerada Jabulani em minha pelada semanal e a redonda é ótima. Meio arisca no começo, é verdade, mas gostosa de bater e obediente a quem sabe chutar. Não vou nem falar que fiz um gol de antes do meio-campo com ela que vão dizer que é mentira. Mas fiz. E com testemunhas.

Os dois outros argumentos têm seus fundos de verdade, mas nem eles, nem qualquer outra coisa, justificam o show de horror que se viu pelos gramados africanos nos jogos iniciais da Copa. Foi tão ruim que a tendência só pode ser melhorar.

Para se ter uma ideia do quão decepcionantes foram quase todos os jogadores com status de estrela, basta dizer que nenhum, absolutamente nenhum, dos 11 votados em nosso bolão para artilheiro do torneio fez sequer um golzinho.

Os raros vivas ficam para a alegria do povo africano, as jogadas insinuantes de Messi, a classe de Ozil em meio ao vistoso jogo alemão, o jogo sem compromisso do Chile e a eficácia defensiva suíça.

Seleção Coisas Mais: Enyeama (NIG); Maicon (BRA), Grichting (SUI) e Alcaraz (PAR); De Jong (HOL), Yaya Touré (CMA), Ozil (ALE), Tshabalala (AFS) e Messi (ARG); Sanchez (CHI) e Gyan (GAN). Técnico: Ottmar Hitzfeld (SUI).

Jogador Coisas Mais: Ozil (ALE)

Melhor seleção: Alemanha

Seleção Coisas Menos: Green (ING); Gutierrez (ARG), Vyntra (GRE), Rodriguez (MEX) e S. Poulsen (DIN); Cahill (AUS), Kuzmanovic (SER), Lodeiro (URU) e Katsouranis (GRE); Ghezzal (ALG) e Pavon (HON). Técnico: Pim Verbeek (AUS).

Jogador Coisas Menos: Green (ING)

Pior seleção: Grécia

África do Sul 0 x 3 Uruguai

Confirmou-se o que se previu aqui após a primeira rodada do Grupo A. Num jogo em que os dois times gostam de jogar da mesma forma, deveria prevalecer aquele com mais qualidade. Resultado, Uruguai três cocos em cima dos africanos.

O equilíbrio dos palpites – quase um terço para cada resultado – fez com que a tabela desse uma mexida até que razoável, mexida que só não foi maior graças ao gol uruguaio no último instante, que impediu cinco apostadores de fazerem a pontuação máxima.

Na parte de cima, nenhuma mudança. Na de baixo… na de baixo o que ninguém esperava. Depois de uma rodada inteira, 16 jogos, tendo a honra de ter seu nome sempre destacado em vermelho, professor Rudinei Toneto Jr. teve de ceder espaço a Paulinho Lunardelo, que há vários jogos dava mostras de sua vontade de fechar o nosso grid. Conseguiu.

Espanha 0 x 1 Suíça

Pintou a primeira zebra com Z maiúsculo. Os espanhóis entraram em campo como os principais favoritos ao título em praticamente todas as bolsas de apostas do mundo – na nossa, é o Brasil. Nele, mostraram um toque de bola envolvente o bastante para fazer os adversários ficarem a maior parte do tempo rodando em volta da redonda sem tocá-la. Mas isso não vale gol.

Os suíços fizeram exatamente o que queriam. Fecharam-se para garantir o empate sem gols e, num eficaz contra-ataque, marcaram o tento da vitória. A comemoração pós-jogo dá uma medida da surpresa que eles próprios, os suíços, tiveram com o resultado.

O bolão foi atingido em cheio pelo coice da zebra: 29 apostadores zeraram, 13 marcaram 2 pontinhos por acertarem o número de gols da Suíça e apenas um, o Chico, acertou o resultado, com placar e tudo.

O confronto Brasil x Espanha na segunda fase torna-se mais provável, embora agora ele possa também não ocorrer pelos dois ficarem em segundo em seus grupos ou, pior, pelo menos um deles simplesmente não se classificar.

Sei não, mas algo me diz que a “certeira” previsão da LCA Consultores, cravando Espanha campeã mundial, tem a ver com o bicho listrado…

Honduras 0 x 1 Chile

Com um futebol livre, leve e solto, o Chile apresentou um jogo menos agradável apenas do que a Alemanha. Candidatou-se a ser a surpresa da Copa, com plena capacidade de vencer a Suíça e até engrossar o caldo para a Espanha.

Mas, se não melhorar a pontaria, pode ver toda essa esperança naufragar ainda na primeira fase. Contra Honduras, mesmo com toda a supremacia, não teria vencido não fosse um lance de sorte.

No bolão, a grande maioria acertou o resultado, mas errou o placar. Os poucos que cravaram o 1 a 0 subiram bem; os poucos que apostaram na zebra contabilizaram um bom prejuízo.