O auto da descompadecida

Corre há tempos nos corredores de Brasília a piada de que a diferença entre Dilma e os mais durões ministros e parlamentares é que estes últimos não coçam as partes pudicas.

É piada, mas bem serve para mostrar o jeito Dilma de ser. Nas reuniões palacianas, Dilma grita quando está contrariada, dá murro na mesa para se fazer ouvir, xinga com vontade quem a desagrada, passa por cima de quem dela discorda, não se comove. Essa é Dilma.

Mas, com o verniz original, nunca conseguiria chegar ao principal posto da República num país que preza os bonzinhos, os oprimidos, os chorões. Então resolveram os marketeiros do PT que Dilma deveria repetir Lula e se tornar paz e amor. Mas Dilma está muito longe tanto de uma coisa quanto da outra. E por isso vêm sendo patéticas as suas tentativas de se emocionar, de falar com voz embargada sobre seu amor pelo Brasil. Soa falso porque é falso. Porque não é a Dilma de 62 anos que aparece ali, mas uma Dilma de poucos meses, mal concebida em laboratório.

Muito mais natural é Dilma quando sai da personagem e se deixa influenciar por sua própria essência. Quando diz que não foge da briga, criticando os exilados durante a ditadura militar, por exemplo. Mas então o mundo vem abaixo. Dilma não pode ser Dilma que os cristais se espatifam.

Por serem diametralmente opostas, a Dilma original de fábrica e a recalled continuarão não se bicando até a definição das eleições, quando a primeira poderá dar um bico na segunda e voltar a si.

Até lá, continuamos com uma personagem disputando a presidência do Brasil. O problema, para o PT, é que a atriz é péssima. E, para o Brasil, é o risco, altíssimo, de a maioria de seus eleitores não perceberem esse grave “detalhe”, magnetizados pelo ator principal da tragicomédia, este sim de talento ímpar, Lula.

Para o Brasil, a solução é clara e evidente: não votar em personagens. Para o PT, as alternativas são mais heterodoxas: 1. simular um acidente que deixe Dilma muda até as eleições, colocando Lula para traduzir todas as suas vontades de fala; 2. simular um sequestro “golpista”, trancafiando Dilma numa masmorra até as eleições e colocando Lula para representá-la durante a campanha.

Ou então deixar Dilma à solta e torcer para que, como nas últimas eleições, o carisma de Lula vá encontrar não entre os seus, mas do outro lado o aliado forte o suficiente para a vitória: a absoluta incompetência estratégica do PSDB. Desta falo amanhã.

Anúncios

Sobre Thiago B. Ribeiro
Thiago Barros Ribeiro tem 32 anos, é paulistano, sampaulino e, segundo as boas e más línguas, quase insuportavelmente chato. Mestre em Economia por formação, gestor público por profissão, metido a besta em esportes por paixão.

2 Responses to O auto da descompadecida

  1. Marcelo Cerri says:

    Há algumas semanas tive o grande desprazer de ler um livro do IPEA sobre os desafios para o desenvolvimento do Brasil. A metade do livro culpa o “projeto neoliberal” por todos os problemas de infraestrutura das últimas décadas no Brasil. Outra metade culpa os economistas do BACEN pelas atuais mazelas de infraestrutura no Brasil. Fiquei espantado ao ler num texto oficial do IPEA a afirmação de que enquanto os atuais dirigentes do BACEN continuarem lá, a política monetária e cambial do Brasil continuará travando o crescimento do país. O que isso tem a ver com a Dilma? Lembremos que antes de ser cogitada como sucessora de Lula, a ministra não se continha e berrava para a imprensa que os economistas de Palocci e Meireles não entendiam nada de desenvolvimento, que eles estavam empacando o país. Dilma tem como histórico acadêmico, umas estreita convivência com aquela turam que hoje conduz o IPEA: alguns “intelectuais” da Unicamp e da UFRJ, chefiadas pelo revolucionário Márcio Pocchman, o qual há poucos defendia um salário mínimo real que transformaria o Brasil em uma Noruega tropical, segundo sua lógica e seus cálculos.
    Lula, apesar de tudo, parece ser bastante pragmático. Nunca foi um verdadeiro revolucionário. O que esquentava seu sangue era a vontade de liderar, de subir no palanque e dominar milhares de pessoas com suas palavras. Se estivéssemos em um regime comunista, Lula seria o lider daqueles que pregavam a liberdade de mercado! Já a sua candidata não é assim. Dilma é essencialmente comunista, seus acidentes podem mudar, de acordo a conveniência eleitoral, mas sua substância permanece vermelha. Isso me assusta muito. Só espero que o Thiago tenha razão e que ela não consiga ser tão boa atriz no momento de convencer os eleitores.

    • Thiago says:

      O problema, Marcelo, é que, em minha opinião, Dilma não precisará nem ser boa atriz para chegar ao Planalto, conforme desenvolverei nos próximos dias…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: